sexta-feira, 20 de agosto de 2010

The Pretty Reckless

The Pretty Reckless é uma banda de rock originária de Nova Iorque e composta por Taylor Momsen (Gossip Girl), Ben Philips, Mark Damon e Jamie Perkins. A banda tem influência de Beatles, Audioslave, Nirvana e Soundgarden. Segundo a líder, Momsen, tem um som pesado, dark e imprevisível, mas também sendo calmo e divertido.
Em 2009 eles abriram a tour das The Veronicas, e em 2010 o primeiro álbum da banda será lançado, com o nome de "Light Me Up", no verão americano. O primeiro single da banda chamado "Make Me Wanna Die" já foi lançado no iTunes, alcançando o #16 no UK Charts, além do #1 no UK Rock Tracks. O clipe já está sendo divulgado pela MTV americana. Essa mesma música está na trilha sonora do filme "Kick-Ass". A banda participará do Vans Warped Tour 2010 entre junho e agosto.

Recentemente foi lançado um EP da banda, já disponível em diversos sites de compra como Amazon com 4 faixas: "Make Me Wanna Die", "My Medicine", "Goin' Down" e "Zombie".

Quando me falaram pela primeira vez que uma atriz do Gossip Girl tinha uma banda de rock, fiz cara feia quase que de imediato. Não botei fé nenhuma. Achei que seria uma Rocker-Wannabe à la Miley Cirus. Mais uma vez eu me enganei. The Pretty Reckless tem um som pesado, um vocal sofrido e letras bem dark, numa combinação infalível com o visual da banda toda. É sucesso na certa. 

Estou ansioso pelo lançamento do CD, porque se vier na mesma qualidade que foi o EP, eles vão fazer sucesso sim. Só espero do fundo do coração que Taylor Momsen não dê uma de Avril Lavigne e resolva se vender por completo para o pop.

Deixo aqui o CD que fecha a 1ª Semana Temática do Ideias Abaurônicas, obrigado a todos que depositaram tempo lendo os posts com enormes biografias e em breve vou colocar uma enquete para vocês leitores decidirem a próxima semana temática.

Photobucket






Título: The Pretty Reckless EP
Artista: The Pretty Reckless
Ano: 2010













Fonte biografia: Last.fm

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Pitty

Pitty nasceu no emblemático 1977. Passou pela banda Shes (1998) e a hardcore Inkoma (98-2000), antes de despontar em trabalho solo com o lançamento do "Admirável Chip Novo", de 2003. Junto com o "Anacrônico", de 2005, os discos venderam 350 mil  cópias, renderam 9 VMBs, cinco Prêmios Multishow de Música Brasileira e apresentações que correram de Portugal ao Japão.

O passo inicial veio de um convite do músico e produtor Rafael Ramos, que já tinha lançado o disco "Influir", do Inkoma, em 2000, e respondia pela gravadora DeckDisc. Com o material acumulado, Pitty desenhou "Admirável Chip Novo" e logo no primeiro ano concorreu ao prêmio de "Revelação" do VMB. O clipe da música que batiza o disco fechou o ano como o mais pedido da MTV.

Já no ano seguinte, levou pra casa os dois prêmios principais do VMB (concorreu em cinco categorias): "Escolha da Audiência" e "Clipe de Rock", além de ter levado também "Revelação" no prêmio Multishow.

Seus primeiros movimentos foram registrados no DVD documental "Admirável Vídeo Novo" (2004), dirigido por Ricardo Spencer.

Com o lançamento de "Anacrônico", Pitty coroou o ano com mais três VMBs - "Ìdolo", "Vocalista da Banda dos Sonhos" e "Performance Ao Vivo" - e o convite para tocar no "Rock in Rio Lisboa", abrindo para Roger Walters e Red Hot Chilli Peppers.

Já 2006 foi o ano de mais quatro estatuetas do VMB na estante: "Melho Clip de Rock", "Melhor Site", "Vocalista da Banda dos Sonhos" e "Escolha da Audiência", que lhe conduziram a uma turnê pelo Japão e ao segundo DVD da carreira, o "{Des}Concerto ao Vivo" (também lançado em CD, o primeiro ao vivo). Gravado em um tiro só, o DVD é o registro do show no Citybank Hall, no dia 6 de julho, em São Paulo. O lançamento rendeu mais dois prêmios no VMB 2007: "Clipe do Ano", com "Na Sua Estante" e "Vocalista da Banda dos Sonhos", pela terceira vez consecutiva.


Em 2009, os fãs puderam acompanhar o que estava acontecendo nas gravações do disco através do blog "256 Tons de Cinza", onde Pitty postava trechos de músicas, fatos e relatos. O CD "Chiaroscuro" foi lançado em agosto junto com o clipe de "Me Adora" (Ricardo Spencer), música que concorreu na categoria "Hit do Ano" do VMB. Pitty concorreu ainda a "Artista do Ano", "Vocalista" e "Rock", enquanto Martin e Duda, integrantes de sua banda, ganharam nas categorias "Guitarrista" e "Baterista", respectivamente.


Em setembro, logo após o lançamento do disco, a banda partiu em turnê pelo Brasil, aquecendo o público para o lançamento do DVD "Chiaroscope" (Ricardo Spencer), que viria em novembro com imagens captadas durante a gravação do disco. O DVD ficou semanas no ranking de DVD musical mais vendido.


Mais uma rockeira nacional: Pitty. E apesar do enorme sucesso, ainda existe uma discussão sobre considerá-la ou não a Terceira Rainha do Rock Nacional. Concordo com essa dúvida, não pelo fato de achá-la pouco digna para o cargo, mas por ainda ser imatura perto das outras duas rainhas (Cássia Eller e Rita Lee). Acredito muito na capacidade dela e gosto de várias músicas, mas ainda falta experiência para o posto.


O CD que vou postar hoje é o "{Des}Concerto" e após passar dois dias ouvindo-o, sou obrigado a admitir sua qualidade. Gostei muito das guitarras bem pesadas, da velocidade, do clima e principalmente da voz. Admito também que só comecei a dar o devido valor para Pitty como cantora após ver sua apresentação no DVD "Baú do Raul", quando ela cantou "Egoísta". Lembro de ter ficado de queixo caído e desde então ouço algumas músicas.


Como disse, o CD é muito bom. Fico me imaginando num show dela, deve ser muito animado MESMO (fiquei até com vontade de ir). Vale a pena para conhecer esse lado do Rock Nacional atual e de qualidade.


Photobucket



Título: {Des}Concerto - Ao Vivo

Artista: Pitty
Ano: 2007
Mais Informações













Fonte da biografia: Site oficial da Pitty

P!nk

Alecia Beth Moore nasceu no Estado norte-americano da Pensilvânia, em 1979. Desde a adolescência, mostrava seus dotes vocais na cidade onde morava, cantando em corais de igrejas e apresentando-se em pequenos eventos. Logo ingressou na banda de R&B chamada "Basic Instint". Mas esta, assim como a próxima que ela participou, não vingou, e Pink foi convidada para uma carreira solo.

O nome artístico surgiu ainda na infância de Alecia, pois ela ficava envergonhada com as brincadeiras dos amigos. Porém, o nome só ressurgiu anos depois, por a cantora ter se identificado com o personagem Mr. Pink do filme "Cães de Aluguel".

O primeiro disco, lançado em 2000, chamou-se "Can't Take Me Home" e trouxe os hits "There You Go", "Most Girls" e "You Make Me Sick". Passou-se um ano e Pink traz ao público seu segundo disco, repercutindo ainda mais que o anterior. Este álbum ganhou o título de "M!ssundaztood" e contou com a composição de Linda Perry "Get The Party Started", um grande sucesso do disco assim como "Don't Let Me Get Me".

Em 2003 lança o disco "I'm Not Dead", contando novamente com a colaboração da cantora Linda Perry. O álbum não vendeu tanto quanto os anteriores, mas serviu para reafirmar a P!nk como uma cantora que veio pra ficar.

No ano de 2008, depois de ter se divorciado de Carey Hart, P!nk grava o CD "Funhouse". O título fez uma alusão à sua separação e mostrou a ela e a todos que mesmo com o coração partido é possível se divertir. O trabalho tornou-se um grande sucesso, e os singles "So What", que conta com o ex-marido da cantora no videoclipe, e "Sober" estouraram no mundo todo.

Olha, gente, eu sei que o intuito dessa semana era exatamente NÃO fazer o que eu vou fazer agora, mas infelizmente é mais forte do que eu.

TENHO UMA TARA INCONTROLÁVEL NESSA MULHER.... pelamordedeus.

Ela é tipo perfeita... pelo menos pra mim, quando eu penso em algo muito próximo da perfeição, penso na Pink. Na verdade ela também é apaixonada por mim, só não sabe disso (ainda). Enfim, já deu pra perceber que não vou falar coisas ruins dela. Acho que o único defeito dela é que ela não é minha esposa (parei).

A Pink é um exemplo incrível da persona da Rockstar na atualidade. Extremamente performática, vocais roucos, músicas com temáticas polêmicas e outras que simplesmente tocam o "fuck off", tudo isso combinado à ótima imagem que ela tem só poderia dar sucesso. E o mais legal de tudo, é que mais um vez, assim como disse no post da Alanis, é a capacidade de fazer tudo isso ao vivo, até melhor que dentro do estúdio. E vocês vão perceber isso com o CD que vou disponibilizar para download.

O CD é "Funhouse Tour - Live in Australia", que fez litros de sucesso no mundo inteiro. Pink canta a maioria dos sucessos mencionados na biografia e também manda alguns covers como "Highway To Hell" (AC/DC), "Bohemian Rhapsody" (Queen) e outros de ótima qualidade, que mostram as grandes influências da cantora. Outra coisa muito legal de se perceber em relação à artista é a interatividade com o público: há várias faixas que tem maior duração em função das conversas de Pink com a platéia.

Esse é o tipo de CD que comparo com o "Pulse" do Pink Floyd: você pode ouvir e curtir muito, mas se assistir o show, a experiência é totalmente diferente e você chega a se apaixonar.

Photobucket






Título: Funhouse Tour - Live In Australia
Artista: P!nk
Ano: 2009
















fonte da bibiografia: Muita Música

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Filme: The Runaways - Garotas do Rock

Seguindo a semana temática que já chegou na metade, hoje temos o post sobre cinema e trago algo desse ano, só pra num falarem que eu só posto velharia. O escolhido é "The Runawys" o filme que conta a história da primeira banda composta unicamente por mulheres e que tinha como integrante Joan Jett (*---*).

Ficha Técnica

Photobucket
Título Original: The Runaways
Lançamento: 2010
Direção: Floria Sigismondi
Atores: Kristen Stewart, Dakota Fanning, Michael Shannon, Scout Taylor-Compton, Alia Shawkat.
Duração: 106 min
Gênero: Drama

Sinopse: "The Runaways - Garotas do Rock" é a cinebiografia da banda que se tornou famosa por ser composta somente por mulheres que tocavam rock'n'roll. O filme aborda o período entre 1975-1977 do ponto de vista de Cherie Currie (Dakota Fanning), a vocalista da banda.

Estou pensando em algo para escrever sobre o filme e dar mais consistência pra crítica mas é difícil expressar por algo diferente de "incrível". E sim, isso é possível mesmo tendo uma atriz do Crepúsculo (#justkidding). Ok, preconceitos de lado. Ela fez uma ótima Joan Jett. Gostei muito da Kristen Stewart nesse filme, ela combina muito mais com personagens mais agressivos e de atitude do que "a mina que baba ovo pro cara que brilha". E enquanto isso, pra variar, Dakota Fanning rouba a cena de tudo e todos. Até hoje, todos os filmes que assisti com ela, por mais que alguns não tenham sido tão bons quanto esse, ela sempre dá um jeito de se destacar mais que os outros.

A história é muito boa, apesar de ser o clichê de bandas de rock: sucesso, drogas, sexo, drogas, sexo, drogas, sexo, drogas e depois mais sexo... Mesmo assim é legal ver como um grupo composto somente de mulheres encara todos esses fatos.


Trailer

Ficha técnica por Adoro Cinema

Alanis Morissette

Canadense, nascida em 1974, Alanis foi uma garota um tanto precoce. Ainda criança, aprendeu a tocar piano, compôs suas primeiras canções e tornou-se apresentadora e atriz em um programa de TV. Seus primeiros álbuns, "Alanis" e "Now Is The Time", gravados na adolescência, renderam à cantora dois discos de platina.

Após a falta de aceitação do segundo disco, Alanis resolve mudar sua forma de fazer música. Deixou de lado a cantora e compositora pop, para tornar-se mais crítica e rebelde em suas canções. Seu próximo CD, "Jagged Little Pill", lançado em 1995, trouxe grandes sucessos como "You Oughta Know", "Ironic" e "You Learn", e alavancou a carreira da cantora.

Em todo, Alanis gravou mais sete álbuns, lançando hits como "Thank U" e "That I Would Be Good". Recebeu muitos prêmios, inclusive alguns do Video Music Awards da MTV e uma indicação ao Globo de Ouro através de "Wunderkind" que compôs para a trilha do filme "As Crônicas de Nárnia". O trabalho mais recente da cantora é o álbum "Flavors of Entanglement", lançado em 2008, trazendo os hits "Underneath" e "Citizen of the Planet".

Bom, pessoal, antes de postar o filme do dia que eu fui descobrir HOJE que ainda não tinha dado upload em todas as partes, deixo mais uma homenageada, uma das minhas musas: Alanis Morissette. Ela é uma das artistas que eu ouço sem motivo algum. Qualquer hora é hora para ouvir músicas como "Not The Doctor", "21 Things That I Want In A Lover" e "Your House" (umas das minhas favoritas).

Acho ela genial. Ótimas letras, ótimos arranjos, timbre único e no palco ela é melhor ainda. Um fato que valorizo muito nos artistas, principalmente hoje em dia com as maravilhas da tecnologia que fazem Joelma cantar igual a Mariah Carey, se precisar.

No Acústico MTV temos uma seleção incrível de músicas da Alanis e alguns covers que ficaram ótimos na voz dela. Eles adicionaram instrumentos diferentes para deixar os arranjos mais consistentes e os músicos que a acompanham são muito bons. Assim, não tenho o que reclamar do CD, é realmente muito bom.


Photobucket





Título: Acústico MTV
Artista: Alanis Morrissette
Ano:  1999















Fonte da biografia: Muita Música

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Cássia Eller

Carioca, filha de militar, Cássia Eller nasceu em 10 de Dezembro de 1962. Morou em várias cidades do Brasil, mas foi em Brasília, aos 18 anos, que decidiu seguir a carreira de cantora. Começou a cantar em coral, fez teste para musicais e trabalhou em duas óperas.

Foi cantora em um grupo de forró, cantou frevo, tocou surdo numa escola de samba e participou do primeiro trio-elétrico de Brasília, o Massa Real, por dois anos, mas nunca negou que sua grande vontade era ser cantora de ópera.

Photobucket
Em 1990, Cássia grava uma fita demo com a música "Por Enquanto" enviada para a gravadora Polygram, a qual contrata a cantora e, no mesmo ano, lança seu primeiro disco: "Cássia Eller".

Foram ao todo, 10 discos e uma carreira de 12 anos interrompida em dezembro de 2001 pela morte da cantora aos 39 anos. Cássia deixou um filho, Francisco, sua companheira Eugênia e uma legião de fãs saudosos de sua voz única.

Aqui está mais uma Rainha do Rock Nacional. Dotada de uma voz rouca impossível de não se reconhecer, polêmica e extremamente original, Cássia Eller, apesar de ter feito muitas interpretações de músicas alheias, é com certeza uma artista para se ouvir e sentir falta de tamanho talento.

Seu legado foi tão grande que até hoje existem milhares de cantora dentro do mainstream influenciadas pelo estilo de Cássia e sempre que notarmos alguma artista com vibe semelhante, faremos uma comparação. Neste CD ela faz jus à sua carreira apresentando uma variedade incrível de ritmos, todos feitos com muita originalidade. e personalidade.

Vale a pena ouvir Cássia Eller para lembrarmos que já houve uma época em nosso país que interpretar uma canção com o coração era mais importante que simplesmente fazer sucesso.

Título: Acústico MTV
Artista: Cássia Eller
Ano: 2001

P.S.: Acabei de descobrir que não tenho 3 faixas desse cd e que uma delas é Top Top dos Mutantes. Preciso encontrá-las.

Fonte da biografia: Muita Música





Heart

O Heart é a mais conhecido por ser a banda das irmãs Ann e Nancy Wilson. Elas começaram a se envolver com música na adolescência. A primeira banda de Ann se chamou Ann and The Daybreakers. Não durou muito para ela perceber que a esta banda não iria muito longe, assim sendo, chamou a irmã que estava começando a tocar guitarra e foram para Vancouver no Canadá. Lá juntaram-se a Steve Fossen e Roger Fischer e gravam o disco "Dreamboat Annie" em 1976. A faixa título foi bem recebida e a banda emplacou também "Crazy On You" que tinha uma levada mais rock 'n' roll.

Em 77 foi editado "Little Queen". nesta época já contavam com o baterista Michael Derosier como integrante fixo. "Little Queen" trazia  maior hit da banda, "Barracuda".

Seguiram-se mais dois álbuns: "Magazine" e "Dog Butterfly", ambos lançados de 78. Nesta época, Nancy e Roger começaram a ter um caso. O irmão de Roger, Micke Fischer, se envolveu com Ann e passou a ser manager da banda.

Em 80, durante as gravações do disco "Bebe le Strange", Roger, que já não estava bem com Nancy, resolveu abandonar a banda. Howard Leese, que já vinha fazendo alguns trabalhos com eles, assumiu o posto oficialmente. Após este álbum, a band lança uma coletânea que fecharia a primeira fase do grupo.

Em 82, tentando seguir a tendência da época, eles lançam o disco "Private Audition". O resultado deixa a desejar. Assim sendo eles entram em estúdio novamente e gravam "Passionworks". Nesta época a banda contava com Mark Andes e Denny Carmassi, mas apesar das novidades, eles não emplacavam mais nenhum hit. Parecia que os anos 80 viriam para derrubar a banda, e como a maré estava ruim, Ann se juntou a Mike Reno e gravou uma canção para o filme "Footlose".

Em 85, o contrato com a Epic chegou ao fim e banda assinou com a Capitol. Uma nova fase se iniciou, banda teve um recomeço: adotou nova postura, um novo visual. Seu primeiro álbum pela capital chamou-se apenasr "Heart" e emplacou quatro hits: "If Looks Could Kill", "What About Love", "These Dreams" e "Never". Este álbum chegou ao número 1 das paradas. O álbum seguinte, "Bad Animals", chegou ao número 2 e trazia o hit "Alone".

Photobucket
Em 90, a banda jogava "Brigade" na praça. O álbum trazia "All I Wanna Do Is Make Love To You",  e foi um grande sucesso, apesar da banda estar com uma levada mais dançante. Após este álbum a banda dá uma parada. As irmãs se envolvem em projetos solo, e Nancy se casa com Cameron Crowe. A gravadora ainda aproveita a onda para em 91 soltar um álbum ao vivo chamado "Rock The House".

Em 1993 elas retornam e gravam "Desires Walks On". Junto delas estavam Schuyler Deale, John Purdell, Denny Carmassi e Howard Leese. 

Em 1995, lançaram um álbum acústico, produzido por John Paul Jones, e em 97 mais um Greatest Hits, mas desta vez abrangendo toda a carreira da banda. Desde então o Heart não lançou mais nada oficial, e os músicos se dedicaram a outros projetos como trilhas sonoras e outras bandas como o Love Mongers.

Iniciando essa terça feira com Heart, banda das irmãs Wilson. Para os jogadores de GuitarHero, provavelmente já estão familiarizados com essa banda e sua música extremamente chata de se tocar caso você use um controle (verde, verde, verdeverde, verde, verde, verdeverde). Mas fiquem calmos, as músicas desse grupo são muito boas... Ok. A maioria delas.

Digo que depois de ouvir esse cd que vou disponibilizar para download fiquei um pouco decepcionado. Conhecia músicas as músicas "Alone", "Barracuda", "Crazy On You" e "What About Love", então pensei que a pegada do grupo seria uma coisa bem Hard Rock. Bom, algumas são. Mas a maioria é aquela típica música dos anos 80 com tecladinho esquisito. Não que eu não goste desse estilo, mas acho uma coisa muito Flash Night, não que eu também não goste de Flash Nigh, é que... aaah deixa quieto.

Enfim, o que quero dizer é que Heart possuiu um estilo muito diferenciado de música para música. Passando por Baladas Oitentistas, Hard Rock e músicas mais dançantes. Então no meu caso, que possuo gosto um pouco mais seletivo (ou seja, chato), fica mais difícil gostar 100% da banda. Como eu já disse, não é que eu não goste desses ritmos, adoro música mais pop e ouço Madonna, Michael Jackson e até Lady Gaga, mas quando ouço uma banda como Heart, com vocais extremamente poderosos e sabendo que a banda foi influenciada pelo Led Zeppelin, eu quero ouvir Rock 'n' Roll!

De qualquer forma, ouça os CDs (são 3) e veja por você mesmo.

Uma última coisa, em 2004, Heart lançou mais um álbum de estúdio chamado "Jupter's Darling" que não foi grande sucesso e esse ano lançam no dia 31 de Agosto o "Red Velvet Car". Além dos CDs de estúdio, também lançaram dois Ao Vivos: o "Alive in Seattle" (2003) e o "Dramboat Annie Live" (2007). Fora isso, houve algumas coletâneas.

Título: The Essential Heart [Limited Editon 3.0]
Artista: Heart
Ano: 2002



Fonte da biografia: Whiplash!

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

#OMG Selo de Qualidade??? #NoWay

Uau, terceiro post do dia... apesar dele estar quase acabando.

Enfim, só para avisar que acabei de receber o Selo de Qualidade do blog Zé Ruellas (#FuckYeah)!

Bom, eu gostaria de agradecer à academia, aos meus amigos, familiares e também à Angelina Jolie (call you latter).

Enfim, agradeço principalmente ao Thiago Cardoso que me indicou, e visitem o Zé Ruellas clicando na imagem abaixo! ou ele não me indica pra mais nada.



Este é o selo que agora estará no blog:

E se você está com inveja e também quer receber é muito simples:
  • Primeiro você precisa ser indicado.
  • Depois você deve divulgar o blog que o indicou e colocar o selo no seu próprio blog.
  • Por fim, escolha outros blogs para receberem sua indicação e avise-os! Você pode escolher até 10 blogs.








Rita Lee

Paulista, descendente de imigrantes, a mãe italiana e o pai norte-americano, Rita Lee Jones nasceu no final de 1947. Na adolescência, sonhava em ganhar uma bateria. Mesmo relutantes, seus pais cederam ao desejo da filha. Começava, então, a carreira da futura cantora e ícone do rock brasileira.

Depois de algumas apresentações em festas do colégio e da banda de vocais formada com duas amigas, Rita Lee forma "Os Mutantes" junto dos irmãos Sérgio e Arnaldo Baptista. A banda estreou no III Festival de Música Popular Brasileira ao lado  de Gilberto Gil, em 1967.

Photobucket
Em 1970, Rita Lee lança seu primeiro CD solo: "Buil Up". Em 1972, sai da banda, expulsa por não seguir os mesmo objetivos que os outros integrantes. Passa por um período de depressão, e compõe muitas das músicas que viria a lançar. Em seguida, forma a banda "Tutti-Frutti" com a qual lança os sucessos "Esse Tal de Roque Enrow" e "Ovelha Negra".

Casa-se com o guitarrista Roberto de Carvalho, em 1976, com quem forma uma parceria que lhe renderia os hits "Mania de Você" e "Lança Perfume". Em 2004, lança o CD e DVD "MTV ao vivo", reunindo alguns sucessos de sua carreira. Em 2008, a cantora se dedicou à turnê PicNic, fazendo shows pelo Brasil. No início de 2009, é gravado no Rio de Janeiro o CD e DVD "Multishow Ao Vivo", que no mesmo ano é indicado ao Grammy Latino na categoria de "Melhor Álbum Pop". 

Em 2010, Rita inicia sua nova turnê, "ETC.", que estreia em Belo Horizonte, na qual canta sucessos que ficaram fora de seu repertório por bastante tempo como "Altlântida", "Vírus do Amor" e "Luz Del Fuego". A cantora também apresenta no show um número em homenagem a Michael Jackson, com a ajuda de Nikki Goulart, um dublê do cartor. Rita atualmente faz shows pelo Brasil, passando por cidades como São Paulo, Porto Alegre e Rio de Janeiro.

Photobucket
Segunda pessoa que não poderia faltar nessa semana é a maravilhosa Rita Lee. Definitivamente uma das minhas inspirações e com certeza uma das Rainhas do Rock Nacional.

Reconhecida pelos cabelos vermelhos e falta de papas na língua, Rita Lee continua conquistando fãs ao longo desses 40 anos de carreira. É impossível não se divertir com as suas músicas. E é exatamente por isso que ela está aqui, além do mais, em tempos conservadores ela foi a única capaz de expor em uma música, de forma direta, que  "mulher é um bicho esquisito / todo mês sangra".

Nesses dois CDs vocês poderão sentir toda a loucura e criatividade dessa mulher que eu gostaria que fosse minha vó (ou não... sabe o quão mais perdido na vida eu estaria se ela fosse). Os dois são ótimos, estão na lista dos meus favoritos, ambos trazem os principais sucessos da cantora e algumas músicas novas.

Ah! E a partir de agora vou começar a postar links para vocês verem as faixas do cd (só não posto por aqui porque os posts ficariam extremamente longos).

Título: MTV Ao Vivo
Artista: Rita Lee
Ano: 2004

Título: Multishow Ao Vivo
Artista: Rita Lee
Ano: 2009


Fonte da biografia: Muita Música e Wikipédia

Janis Joplin

Janis nasceu na cidade de Port Arthur, Texas, nos Estados Unidos. Ela cresceu ouvindo músicos de blues, tais como Bessie Smith, Leadbelly e Big Mama Thornton e cantando no côro local. Joplin concluiu o curso secundário na Jefferson High School em Port Arthur no ano de 1960, e foi para a Universidade do Texas, na cidade de Austin, onde começou a cantar blues e folk com amigos.

Cultivando uma atitude rebelde, Joplin se vestia como os poetas da geração beat, mudou-se do Texas para São Francisco em 1963, morou em North Beach, e trabalhou como cantora folk. Por volta dessa época seu uso de drogas começou a aumentar, incluindo a heroína. Janis sempre bebeu muito em toda a sua carreira, e sua preferida era a bebida Southern Comfort. O uso de drogas chegou a ser mais importante para ela do que cantar e chegou a arruinar sua saúde.

Depois de retornar a Port Arthur para se recuperar, ela voltou para São Francisco em 1966, onde suas influências do blues a aproximaram do grupo Big Brother & The Holding Company, que estava ganhando algum destaque entre a nascente comunidade hippie em Haight-Ashbury. A banda assinou um contrato com o selo independente Mainstream Records e gravou um álbum em 1967. Entretanto, a falta de sucesso de seus primeiros singles fez com que o álbum fosse retido até seu sucesso posterior.

O destaque da banda foi no Festival Pop de Monterey, com uma versão da música "Ball and Chain" e os marcantes vocais de Janis. Seu álbum de 1968, Cheap Thrills, fez o nome de Janis.

Ao sair da banda Big Brother, Janis formou um grupo chamado Kozmic Blues Band, que a acompanhou em I Got Dem Ol' Kozmic Blues Again Mama! (1969). O grupo se separou, e Joplin formou então o Full Tilt Boogie Band. O resultado foi o álbum Pearl (1971), lançado após sua morte, e que teve como destaque as músicas "Me and Bobby McGee" (de Kris Kristofferson), e "Mercedes-Benz", escrita pelo poeta beatnik Michael McClure.

Janis Joplin morreu de overdose de heroína em 4 de outubro de 1970, em Los Angeles, Califórnia, com apenas 27 anos. Foi cremada no cemitério-parque memorial de Westwood Village, em Westwood, Califórnia, e numa cerimônia, suas cinzas foram espalhadas pelo Oceano Pacífico.

O álbum Pearl foi lançado 6 meses após sua morte. O filme The Rose, com Bette Midler no papel de Janis Joplin, baseou-se em sua vida.

Photobucket
Uma salva de palmas para nossa amiga Wikipédia que forneceu essa pequena biografia dessa incrível artista. E é aquilo: se essa semana temática não começasse com Janis Joplin, seria melhor nem ter começado. Se alguém conhece alguma rockeira antes dela, por favor me avise nos comentários para que eu possa procurar e postar por aqui. Dentro dos meus conhecimentos, no entanto, ela é a primeira. E como grandes nomes do Rock, possuiu carreira curta, mas extremamente significativa para a sua própria e futuras gerações, de forma que hoje em dia podemos dizer que Janis foi imortalizada.

Como download do post, preparei o CD Greates Hits de 2000 da série MTV History. Admito que nunca tinha parado pra ouvir várias músicas dela, mas com essa coletânea passei a conhecer várias músicas diferentes daquela que sempre ouvimos e gostei muito. A voz rouca, a intensidade do canto, os arranjos com pianos e orgãos, o estilo cheio de blues, as letras, tudo se encaixa muito bem. Definitivamente uma das grandes Rainhas do Rock Internacional, uma pena que sua carreira tenha durado tão pouco.

Título: Greatest Hits (MTV History)
Artista: Janis Joplin




domingo, 15 de agosto de 2010

1ª Semana Temática: Mulheres e Rock'n'Roll

Janis Joplin
Há muito tempo atrás, o Rock'n'Roll era algo puramente masculino. A ousadia envolvida nas letras, a atitude do artista e a frase "Sexo, Drogas e Rock'n'Roll" eram uma realidade distante do universo feminino.

Ainda bem que isso mudou! Ou não teríamos essa primeira semana temática aqui no blog.

Como dizia Rita Lee "Dondoca é uma espécie em extinção", e foi exatamente isso que todas as rockeiras provaram desde o primeiro instante que decidiram quebrar com aquele tabu que separava o sexo feminino de uma guitarra com distorção. Desde então, muitos marmanjos machistas foram obrigados a tirar o chapéu para garotas corajosas que simplesmente queria ser vistas e tratadas com igualdade.

Joan Jett
Obviamente foi um tapa na cara em todos os padrões existentes. Mães não queriam ver suas garotinhas envolvidas na vida fácil e perigosa do rock; namorados nem sonhavam em ter seus "amorzinhos" fazendo gestos obscenos para milhares de marmanjos; e papais não queriam saber da independência de suas "princesinhas". Tudo isso foi enfrentado e hoje em dia temos diversas opções dentro do Rock Feminino. Imagino, no entanto, que ainda existam muitos preconceitos em relação a esse gênero e mesmo com essas conquistas anteriores, infelizmente, as coisas não são 100% equivalentes e justas.
Taylor Momsen

Mas nessa semana, não devemos lamentar, vamos apenas agradecer a todas as mulheres que tornaram o rock muito mais completo e desejar boa sorte àquelas interessadas no ramo e que sonham em ser a Joan Jett de seu tempo.

Agora, explicando um pouco dessa semana temática. Irei postar tudo com uma certa ordem cronológica para que possamos observar a evolução desse estilo. Estou também planejando um banner diferente para essa semana, tudo vai depender de quanto tempo vou gastar nele e se o tempo que sobrar vai ser suficiente para eu acordar disposto amanhã cedinho.

Será um experimento. Vamos torcer para dar certo.

Aviso: Semana Temática

Isso mesmo, prepare sua fantasia e venha para a semana temática do Ideias Abaurônicas. É exatamente o que você está pensando (ou não). Agora, sempre que eu achar conveniente, vou fazer uma semana temática que irá afetar a maioria dos posts da semana, trazendo downloads e ideias com temas comuns.

Não serão todas as semanas com uma tema diferente, somente quando eu sentir que possuo material suficiente (entenda como "suficiente" pelo menos 1 filme e 1 CD) e com boa qualidade. Os temas serão, no geral, voltados para algum estilo musical ou alguma corrente artística rica e interessante. 

O dessa semana eu já decidi, então é só aguardar um pouco que ainda preciso escrever um texto de apresentação e introdução ao tema para iniciarmos a "Primeira Semana Temática do Ideias Abaurônicas".
Related Posts with Thumbnails