quarta-feira, 21 de julho de 2010

Filosofias Abaurônicas IV: Gente (MUITO) Simpática.

Olá, leitores! Como vão? *^^*

Com essa saudação super falsa simpática darei início ao post de hoje! Que por um acaso, até agora (primeiras linhas) não tem título definido e muito menos um assunto. Para os desinformados de plantão, é importante ressaltar que não deixo de planejar alguns posts aqui do blog, na verdade eu até tenho uma lista de possíveis tópicos pra falar por aqui, mas único e exclusivamente (adoro usar essa expressão) HOJE, vou dar uma de rebelde e escrever qualquer coisa.

Voltando às primeiras frases do post e lembrando do "Irritando Fernanda Young", me veio aquela ideia da pessoa Chata/SuperLegal. Ok, ficou confuso, mas vou explicar. Sabe quando você chega em algum lugar e encontra com aquela pessoa dona de um sorriso de orelha-a-orelha e que aparentemente nunca está de mau humor? Exatamente a mesma pessoa que é tão legal, mas tão legal, mas MUITO LEGAL MESMO, que é até chata ¬¬?
Assim como diria meu grande amigo Simon Cowell (ex-jurado do American Idol) "Geralmente eu coloco 2 torrões de açúcar no meu chá, isso foi como se eu tivesse colocado 11.", ou seja, às vezes é um pouco demais. O caso, no entanto, da pessoa-exemplo-do-Ideias-Abaurônicas é aquele cidadão INSUPORTÁVEL, do tipo que inicia um assunto chato com AQUELA empolgação e quando você menos espera... O ASSUNTO CONTINUA! Impedindo que você tome qualquer atitude evasiva sem provocar uma reação totalmente inesperada (geralmente essas pessoas são bem imprevisíveis... tenha medo).

O pior de tudo é que essas pessoas estão nos lugares menos esperados! Um vendedor, uma atendente de telemarketing (piores), um garçom (piores²), ou ainda, uma visita surpreendente na sua casa. Convenhamos que esse último é o pior de todos. Pra começar porque se você convidou a pessoa pra ir até sua casa, você não tinha ideia da tamanha simpatia dela; depois ela começa a se mostrar A samaritana e você não pode simplesmente expulsá-la da sua casa. Nesse momento, meninos e meninas, o melhor a fazer é analisar o ambiente: se houver objetos pontudos ou de forte constituição, não hesite, agarre-o e faça com que ele se funda com a cabeça do simpático; agora se você estiver desfavorecido pela sua própria casa... seja criativo! Simule um super chamado da natureza, um ataque, uma suposta dupla personalidade, reze, receba uma entidade, sei lá... foi pra situações como essa que Deus nos deu um cérebro. Por via das dúvidas faça como eu, sempre deixe objetos pontudos próximos.

Assim. Você. Pessoa MUITO SIMPÁTICA. Continue assim, só adicione aquela dose cavalar de semancol no seu café assim como EU. Só pra garantir a sanidade mental das pessoas ao seu redor e o seu bem estar físico (caso você venha na minha casa).

Ha ha, final do post e agora eu até bolei um título super original pra ele. Ele até me deu umas ideias de outros tópicos que devem ser questionados, mas deixa pra uma próxima.

Até!


P.S.: ok... eu tive sérias dificuldades em escrever a palavra "hesitar", JURO que não sabia que era com H e pô, foi uma baita de uma descoberta pra mim...sério... Essa palavra com certeza vai entrar pra milha lista de "Palavras que eu não tenho costume de escrever e me surpreendo com a grafia".

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Filme: Velvet Goldmine

De uns tempos pra cá comecei a assistir mais filmes com temáticas musicais, desde produções baseadas na Broadway como "Chicago", "Hairspray" e "Cabaret", até outros não tão teatrais como "Quase Famosos", "Blues Brothers" e "Velvet Goldmine".

Fiquei sabendo da existência desse filme com uma entrevista do Adam Lambert, na qual um fã perguntou pra ele se caso ele pudesse viver num filme, qual seria esse filme. Entendi a escolha logo quando vi as primeiras imagens do longa na Google (no Google... não sei o certo ¬¬): muito brilho, glamour, exagero e personagens à La Diva. E como um fã do GlamRock, também não poderia deixar de assistir, já que o filme faz alusões bem diretas a grandes figuras do Rock como David Bowie e seu personagem espacial Ziggy Stardust, e Iggy Pop. Pra dizer a verdade, para os que conhecem David Bowie, o filme vai servir como uma "biografia" desse Glamrocker, contando desde seu início de carreira com o Folk Psicodélico, passando pela fase Glam e terminando com o Soul Man, sem esquecer a fase que ele morou com Iggy Pop.

Então se você tiver a curiosidade, baixe o filme, está dividido em quatro partes, então ficou bem suave pra fazer o o download.

Ficha Técnica:

Photobucket
Título Original: Velvet Goldmine
Lançamento: 1998 (Inglaterra)
Direção: Todd Haynes
Atores: Jonathan Rhys-Meyers, Ewan McGregor, Christian Bale, Toni Collette, Eddie Izzard.
Duração: 123 min
Gênero: Drama

Sinópse: Em 1971, o Glam Rock invade o mundo da música britânica, provocando uma verdadeira revolução, não apenas na música mas também nos costumes da sociedade. O ícone do movimento Brian Slade (Jonathan Rhys-Meyers), roqueiro que leva garotas e rapazes a pintarem as unhas, usarem batom e explorarem sua sexualidade. Incapaz de lidar com a fama adquirida, Brian forja sua própria morte, com a farsa sendo descoberta logo depois. Anos mais tarde, um jornalista inglês (Christian Bale) começa a investigar seu desaparecimento.

Bom, a primeira coisa que digo para os meus amigos quando comento sobre o filme é que definitivamente não é um filme para juntar a família e assistir todos juntos e felizes. O filme é bem forte e lida com assuntos bem polêmicos como drogas e homossexualismo, ambos praticados sem medir consequências pela personagem principal e por diversos coadjuvantes. Como eu não dou a mínima pra isso, vou pular essa parte e começar a falar do filme em si.

A primeira coisa que devemos ter em mente é exatamente a frase na capa do filme: "Leave your expectations at the door" ("Deixe suas expectativas ao entrar"), pois se há algo marcante no filme é sua capacidade de surpreender, e não digo isso em relação à história, mas sim às ações das personagens e suas performances; as entrevistas polêmicas de Brian Slade, as performances de Curt Wild, o figurino de Jack Fairy, tudo é muito chocante e até um pouco desconfortável para os desprevenidos.

Em relação aos atores eu fiquei bem satisfeito. Ewan McGregor se dá muito bem cantando e encarnou totalmente a personagem baseada em Iggy Pop; Jonathan Rhys-Meyers tem um histórico muito bom de filmes desse tipo, começando por um especial para televisão chamado "Elvis" e depois o filme "Som do Coração", inclusive, se houver um filme sobre o KISS e esse cara for chamado pra fazer o Paul Stanley, com certeza haverá um poster dele na parede do meu quarto xD. Já o Christian Bale pra mim foi bem indiferente, ele fez o seu trabalho e boa.

A trilha sonora também é incrível (mais pra frente quero até postá-la por aqui) e quando combinada com as imagens do filme temos um casamento perfeito de imagens e sons.

Em resumo, posso dizer que gostei muito do filme apesar de ter sido necessário assistir duas vezes para entendê-lo por completo mesmo ele sendo um pouco complicado já que são muitos fatos que precisam ser interligados para total compreensão. De qualquer forma, vale a pena ser assistido e se serve como referência Velvet Goldmine está para o Glam Rock assim como o filme Rockstar está para o Hard Rock, ambos são muito parecidos e tratam basicamente dos mesmos assuntos, mudando apenas o background musical.

Até mais!!

P.S.: Créditos da Ficha Técnica: Adoro Cinema
Related Posts with Thumbnails